Notícias

A cidade suiça de Davos está pronta para a 39ª edição do FEM(Fórum Econômico Mundial).

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

A cidade suíça de Davos se prepara para receber a 39ª edição do encontro anual do FEM (Fórum Econômico Mundial), que começa nesta terça-feira (22). O presidente Jair Bolsonaro discursará na sessão plenária à tarde. O evento vai até sexta-feira (25).

O FEM, com sede em Genebra, foi criado em 1971 pelo professor suíço Klaus Schwab. Apesar de não ser o único evento da organização, o Fórum de Davos serve como uma vitrine para governos, empresários e organizações trocarem experiências e atraírem o interesse de investidores internacionais.

Foram confirmadas as ausências de Donald Trump –que negocia a aprovação do orçamento do governo após 1 mês de shutdown, o maior da história há alguns dias–, do francês Emmanuel Macron –que enfrenta as constantes manifestações dos “coletes-amarelos”–, e da primeira-ministra Theresa May –envolta nas negociações para aprovar a saída britânica da União Europeia.

Por conta disso, a delegação brasileira –capitaneada pelo presidente Jair Bolsonaro, em seu 1º compromisso no exterior desde que tomou posse– deve ser a grande atração do evento. Ele será o 1º chefe de Estado a discursar na abertura do Fórum.

Com o tema “Globalização 4.0: Moldando uma Arquitetura Global na Era da 4ª Revolução Industrial”, a edição de 2019 do Fórum traz à mesa debates como o efeito das mudanças climáticas extremas no ciclo econômico mundial, as desigualdades sociais, a crise migratória na Venezuela e a preservação do meio ambiente –temáticas delicadas na agenda do chanceler Ernesto Araújo,  conhecido crítico da vertente globalista na abordagem diplomática.

Nesse sentido, a missão brasileira busca descaracterizar a imagem autoritária e isolacionista de Bolsonaro e apresentar o país como uma “democracia com economia vibrante do século 21”, de acordo com 1 membro da equipe de Guedes.

Em seu discurso, Bolsonaro deve transmitir segurança para investidores –com destaque para o agronegócio– e endurecer a posição do Brasil quanto à situação política e humanitária na Venezuela.

Na última 5ª feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que tem a intenção de reforçar a imagem do país como “uma democracia vibrante do século 21″.

Guedes representará a nova faceta de uma administração que prioriza privatizações, o enxugamento da máquina pública e a tão aguardada reforma da Previdência. O teor do discurso será similar ao realizado durante sua posse no cargo, no último dia 2.

O ministro também deve anunciar o aumento da fatia do comércio internacional (soma de importações e exportações) para 30% nos próximos 4 anos –atualmente a quantia representa 22% do PIB (Produto Interno Bruto) orgânico.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, deve destacar como a corrupção afeta os negócios. No rascunho do discurso do ex-juiz, consta  que “a corrupção alimenta a desconfiança não apenas em governos, mas também no mercado”.

A comitiva brasileira conta com mais outros 3 ministros: Ernesto Araújo (Relações Exteriores), general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Gustavo Bebianno (Secretaria Geral da Presidência). Completam a delegação o deputado federal e filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e assessor especial do Palácio do Planalto para assuntos internacionais, Filipe Martins.

alimenta anual atração brasileira capitaneada chefe cidade climáticas coletes amarelos comitiva compromisso corrpção crise davos delegação delicadas desconfiança desigualdades econômico encontro estado evento ex-juiz fórum globalista governos industrial mercado migratória ministros moldando negocia orçamento plenária portal das gerais presidente rescunho revolução segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio sessão sociais suiça temáticas