Notícias

As empresas de ônibus devem mais de R$ 5,8 milhões à Prefeitura de Belo Horizonte por infringirem a Lei 10.526/2012, que determina que os veículos não devem transitar sem a presença do cobrador.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

As empresas de ônibus devem mais de R$ 5,8 milhões à Prefeitura de Belo Horizonte por infringirem a Lei 10.526/2012, que determina que os veículos não devem transitar sem a presença do cobrador. Esse é o valor total das 8.726 multas aplicadas pela PBH às empresas de janeiro a novembro deste ano.

A legislação determina que a ausência do agente de bordo só é permitida, integralmente, aos ônibus do sistema Move. Aos demais, o trocador só pode se ausentar aos domingos, feriados e horários noturnos.

Procurada pela reportagem, a assessoria da prefeitura informou que não tem a informação sobre quantas multas já foram pagas e nem se há um prazo para que elas sejam quitadas. “As multas estão sendo enviadas à Secretaria Municipal de Fazenda para as devidas providências”, informou, por meio de nota.

O prefeito Alexandre Kalil, que já havia prometido “abrir a caixa preta da BHTrans”, afirmou, nesta segunda-feira (17), que “se as empresas de ônibus fazem o que querem, vão receber o troco”. Até o fim desta semana, a prefeitura deve convocar uma coletiva de imprensa para informar os resultados obtidos com a auditoria dos contratos entre as empresas e a BHTrans.

Já nesta terça-feira (18), o movimento Tarifa Zero BH também irá apresentar os resultados dos cálculos que fez ao longo de 2018 sobre o preço da passagem. Mas o grupo já adianta que, somente no ano passado, as empresas lucraram pelo menos R$ 179 milhões a mais do que deveriam.

Além desta diferença, o relatório técnico que será apresentado pelo Tarifa Zero também mostra que o preço que a passagem de ônibus deveria ter, considerando todos os custos e, inclusive, a margem de lucro das empresas, é bem inferior ao valor cobrado atualmente. Para chegar a esses resultados, o grupo teve acesso aos dados da PBH, por meio da Lei de Acesso à Informação, e refez o cálculo da tari​fa com base nos custos do sistema. *colaborou Hoje em Dia

auditoria cálculo cálculos cobrador coletiva contratos custos determina empresas infringirem legislação lucro margem multas ônibus passagem portal das gerais preço relatório segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio sistema tarifa técnico total transitar valor