Notícias

BILHETERIAS DO METRÔ DE BH TÊM VENDAS LIMITADAS

  • Nenhum comentário

Passageiros aproveitam preço atual  para  carregar os cartões antes de  a  nova  tarifa  entrar  em vigor.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) limitou a quantidade de bilhetes por usuário em até 50 unidades. A medida aconteceu após a Justiça autorizar aumento na tarifa em 89 %, passando de R$ 1,80 para R$ 3,40. Mesmo com a autorização, o aumento ainda não entrou em vigor, permanecendo no valor menor.

Novos trens atuam em revezamento com os antigos
Créditos: CBTU

Em nota, a CBTU explica que, com a decisão da Justiça Federal, derrubando a liminar que suspendia o reajuste tarifário, houve uma necessidade planejamento da implantação do novo preço nas catracas e bilheterias. ‘As definições relativas a vendas de bilhetes são ações que visam unicamente garantir a normalidade do atendimento nas bilheterias das estações, evitando filas e tumultos durante o embarque. O limite de 50 bilhetes por pessoa é uma questão estritamente operacional e de logística, já que o aumento descontrolado da procura poderia resultar em comprometimento da rotina. Ele será aplicado no momento exato após as mudanças na operação que a empresa precisa realizar em suas bilheterias, sempre com ampla divulgação para a população.’, detalha a CBTU.

Audiência de conciliação entre o Instituto Defesa Coletiva (IDC) – entidade que obteve liminar na Justiça contra o aumento das tarifas do transporte metroviário em BH – e a Companhia Brasileira de Trens Urbanos, discute na tarde desta quarta-feira (24) a forma de aplicação do percentual de 89% no aumento das tarifas.

Participam da audiência de conciliação o Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual e a Advocacia Geral da união. O IDC afirma que vai apresentar ao TRF recurso pedindo a suspensão do aumento.

Metros antigos e acoplados são utilizados para atendender à demanda
Créditos: CBTU

A CBTU assegura que continuará tendo o transporte mais barato do Brasil no setor, e há cerca de 13 anos não há alteração nas tarifas em Belo Horizonte, 15 anos em Natal, Maceió e João Pessoa e seis no Recife.