Notícias

Ciro Gomes diz: O PT traiu o povo brasileiro

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

Criticado por não ter explicitamente declarado voto em Fernando Haddad (PT) no segundo turno, o ex-ministro Ciro Gomes, que disputou o Planalto pelo PDT, justificou a sua posição em uma entrevista ao jornal Folha de São Paulo publicada nesta quarta-feira.

Para ele, apesar de ter se colocado contra Jair Bolsonaro (PSL), não faria sentido defender o voto em Haddad uma vez que não está mais disposto a “fazer campanha para o PT.”

Na sua visão, ele foi coerente com o que sustentou no primeiro turno. “A gente trai quando dá a palavra e faz o oposto. Quem tiver prestado a atenção no que falei, está muito clara a minha posição de que com o PT eu não iria”, diz.

O pedetista demonstrou ressentimento do ex-aliados, citando especificamente o episódio do acordo entre petistas e o PSB, quando, apesar de não conseguir a adesão da legenda, o PT sacrificou a sua candidatura ao governo de Pernambuco com o objetivo de garantir que o partido não apoiasse Ciro, isolando-o. Para o ex-ministro, neste momento o “PT elegeu Bolsonaro”.

“Você imagina conseguir do PSB neutralidade trocando o governo de Pernambuco e de Minas? Em nome de que foi feito isso? De qual espírito público, razão nacional, interesse popular? Projeto de poder miúdo”, disse, culpando “o ex-presidente Lula e seus asseclas” pelo que ele chama de “traição”. “Fomos miseravelmente traídos. Aí, é traição, traição mesmo. Palavra dada e não cumprida, clandestinidade, acertos espúrios, grana”, argumentou.

Na visão de Ciro, foi o lulopetismo se transformou em um “caudilhismo corrupto e corruptor” responsável por dar impulso a uma força política antagônica, uma “histeria coletiva” que levou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) a ser eleito no último domingo. O ex-ministro disse ser falta de “sobriedade e modéstia” falar em uma nova candidatura à Presidência em 2022, mas deixou claro que voltou atrás em um discurso no qual anunciava que, caso Bolsonaro fosse eleito, ele deixaria a vida pública.

“Depois de tudo o que acabou acontecendo, a minha responsabilidade é muito grande. Não sei se serei mais candidato, mas não posso me afastar agora da luta. O país ficou órfão”, disse ao jornal.

antagônica candidato candidatura ciro gomes corpo de bombeiros policia civiil de minas gerais policia de minas gerais policia militar de minas gerais portal das gerais Rede Gerais de Comunica~ção rede gerais de radio Segurança Pública corrupto corruptor criticado discurso entrevista força grande impulso luta modéstica órfão portal das gerais posição responsabilidade segundo turno segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio