Notícias

Leia aqui, o que Gleisi e o PT não entenderam sobre a ditadura na Venezuela.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, justificou a sua presença na posse do ditador Nicolás Maduro nesta quinta-feira (10) afirmando que a eleição na Venezuela aconteceu de acordo com as regras constitucionais vigentes e enfrentou candidaturas de oposição legítimas.

Segundo a petista, é preciso reconhecer o voto popular pelo qual Maduro foi eleito. Hoffmann encontrou-se com o ex-presidente Lula em Curitiba para tratar da viagem.

Maduro foi eleito em maio com 67% dos votos. O processo eleitoral é acusado de fraudes e 75% dos venezuelanos reprovam o governo.

Veja o que Gleisi e o PT não entenderam sobre a ditadura na Venezuela.

1. A contestada reeleição de Nicolás Maduro

Nicolás Maduro é visto não só pela oposição, mas por diversos governos, como um ditador, apoiado pelos militares. Maduro, que toma posse nesta quinta-feira (10), diz ser um “presidente democrático” e afirma que o país é “vítima” dos Estados Unidos e da “guerra econômica da direita”.

A eleição ocorreu em maio na Venezuela. À época, Maduro era reprovado por 75% da população e o processo eleitoral foi acusado de fraudes, com denúncias graves de compras de votos. Houve tentativa de boicote e 54% da população não compareceu às eleições – o maior índice de abstenção da história do país. O resultado também foi questionado pela comunidade internacional.

O candidato derrotado da oposição, Henri Falcón, denunciou mais de 350 violações às regras eleitorais e afirmou que não reconheceria o resultado das urnas. Ele chegou a exigir novas eleições.

De acordo com Falcón, houve pressão, chantagem e abuso do voto assistido, que é o uso de acompanhante para ajudar o eleitor na hora do voto. Maduro teve 67,7% dos votos contra 20,93% de Henri Falcón.

Outras lideranças da oposição foram impedidas de concorrer, seja porque estavam presos ou exilados ou porque foram proibidos de concorrer a qualquer cargo.

2. Por que a Venezuela pode ser considerada uma ditadura

Desde 2013, quando Nicolás Maduro assumiu o poder, ele tem reprimido com violência manifestações de venezuelanos indignados com a situação do país. Soma-se a isso a limitação da liberdade de imprensa e a prisão de opositores.

Em 2017, um relatório da ONU sobre a situação do país afirmou que a democracia na Venezuela estava ”à beira da morte” e concluiu que o governo havia abusado do uso da força para se manter no poder.

No mesmo ano, o presidente destituiu o Parlamento, que era composto por maioria opositora, e convocou uma Assembleia Constituinte paralela sob o argumento de “resolução da crise”. A Constituinte adiantou as eleições e o Legislativo teve os seus poderes suprimidos.

Diante desse cenário, países como Estados Unidos, Canadá e algumas nações da União Europeia impuseram sanções ao governo venezuelano que é acusado de corrupção e violações de direitos humanos.

3. A crise na Venezuela e os protestos violentos

Há quase seis anos, a Venezuela sofre com ondas de protestos violentos, que deixaram centenas de mortos. O país também enfrenta uma grave crise socioeconômica devido à queda do preço do petróleo, aos altos gastos do governo, à corrupção e ao isolamento internacional.

Dados oficiais do país mostraram que, em 2018, 87% da população vivia em situação de pobreza. Para tentar driblar a crise, o governo buscou supervalorizar a moeda venezuelana, mas isso provocou distorções de valores que causaram uma crise de desabastecimento e contribuíram para um cenário de hiperinflação.

Em 2016, o ápice se deu com a escassez de medicamentos, o que levou o Parlamento a decretar “crise humanitária” no país.

4. População enfrenta fome e desabastecimento

A situação não melhorou nos últimos meses. Em 2017, 64% dos venezuelanos perderam cerca de 11 kg por causa da fome, segundo uma pesquisa realizada pelas Universidade Central da Venezuela, a Universidade Simón Bolivar e a Universidade Católica Andrés Bello.

Um relatório publicado pela FAO em setembro de 2018 afirmou que 11,7% da população não tinha acesso a alimentos. A porcentagem corresponde a 3,7 milhões de pessoas.

Outro levantamento realizado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, em fevereiro de 2018, concluiu que cerca de 70% das crianças de até 5 anos estão gravemente desnutridas. Isso levou mães a abrirem mão da criação dos filhos e serem forçadas a entregá-los para autoridades ou famílias mais ricas. Centenas de pessoas moram nas ruas. A busca por comida em lixos é comum nas cidades.

5. Emigração em massa de venezuelanos

Apagões de energia elétrica, hiperinflação, desemprego em massa, desabastecimento de comida, água e medicamentos e dificuldade de acesso a serviços de saúde levou à emigração em massa de venezuelanos. De acordo com a ONU, cerca de 3 milhões de pessoas deixaram o país. Mais de 30 mil venezuelanos cruzaram a fronteira para o Brasil em busca de melhores condições.

6. Militares são presos e torturados acusados de conspiração

Na última quarta-feira (9), a organização Human Rights Watch em parceria com a ONG Foro Penal, lançou um relatório em que mostra que os serviços de inteligência e as forças de segurança na Venezuela prenderam e torturaram militares e suas famílias que foram acusados de “conspirar contra o governo”.

De acordo com o documento, estariam sendo usados golpes, tentativas de asfixia, descargas elétricas, privação de comida e de acesso a banheiros.

acesso agua asfixia candidaturas comida constitucionais desnutridas ditador gravemente justificou legítimas militares oposições petista população popular portal das gerais pose presença presidente pt regras Segurança segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio torturaram venezuelanos voto