Notícias

Nicolás Maduro, deve receber nesta quinta-feira(24), o apoio da cúpula militar, a base de sustentação de seu governo. em uma tentativa de contra-atacar o crescente respaldo internacional ao líder parlamentar Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, deve receber nesta quinta-feira(24), o apoio da cúpula militar, a base de sustentação de seu governo. em uma tentativa de contra-atacar o crescente respaldo internacional ao líder parlamentar Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino.

O ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, e os comandantes regionais devem pronunciar o “apoio ao presidente constitucional” em “respaldo da soberania” do país, anunciou o governo.

“Não aceitamos um presidente imposto à sombra de interesses obscuros, nem autoproclamado à margem da lei”, afirmou na quarta-feira Padrino López no Twitter.

Na véspera, Guaidó, respaldado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu às Forças Armadas que permaneçam “ao lado da Constituição” e voltou a estender a mão aos que não abandonarem Maduro, reiterando a oferta de uma lei de anistia.

Para o centro de análise Eurasia Group, o reconhecimento do alto comando militar é um requisito para que Guaidó consiga liderar uma transição. Sem este apoio, “a queda de Maduro não parece iminente”.

Maduro deve comparecer nesta quinta-feira a uma sessão no Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), de linha chavista e considerado outro pilar de seu governo.

Pouco antes da autoproclamação de Guaidó, o TSJ ordenou à Procuradoria uma investigação penal dos integrantes do Parlamento – de maioria opositora -, ao acusá-los de usurpar as funções de Maduro.

“Pode acontecer desde uma reação a seu favor por parte de fatores que sustentam Maduro até uma reação violenta contra ele (Guaidó) ou o Parlamento. Maduro pode ignorá-lo para deixar que caia por seu próprio peso”, afirmou à AFP o cientista político Luis Salamanca.

O agravamento da crise acontece em meio ao pior momento econômico da história moderna do país, com falta de alimentos e remédios, além de uma hiperinflação, que segundo o FMI deve atingir 10.000.000% em 2019.

Distúrbios durante protestos contra Maduro deixaram pelo menos 13 mortos desde terça-feira, de acordo com a ONG Observatório de Conflitividade Social, crítica do governo. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos registrou 16 mortes apenas na quarta-feira.

anistia armadas comandantes comando contra-atacar cúpula direitos econômico forças governo hiperinflação história humanos. interino internacional investigação militar moderna mortes mortos obscuros penal pilar portal das gerais presidente protestos reaçõa remédios respaldo segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio sessão soberania tentativa transição venezuela violenta