Notícias

Os bombeiros militares de Minas Gerais  vem trabalhando em Brumadinho com atraso salarial.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias – edição Jane Huscher

Os bombeiros militares de Minas Gerais  vem trabalhando em Brumadinho com atraso salarial. Desde 2016, quando o estado declarou calamidade financeira, os salários de todos os funcionários públicos vem sendo parcelados e o 13° salário de 2018 foi adiado, e será pago em 11 parcelas ao longo do ano.

No último dia 28 de dezembro o governo de Minas Gerais anunciou que adiaria o pagamento do 13° salário por não ter recebido um aporte de 200 milhões de reais do governo federal. Naquela ocasião, o governo, ainda dirigido por Fernando Pimentel (PT), mas sob comando da transição para Romeu Zema (Novo) também reclamou de não ter arrecadado 500 milhões de reais com o leilão de securitização das dívidas do estado.

No dia seguinte à declaração do governo, no dia 29 de dezembro, a Associação dos Oficiais da Polícia Militar e Bombeiros Militares (AOPMBM) criticou a notícia dada pelo então governador-eleito Romeu Zema, que decidiu dividir o 13° salário dos policiais e bombeiros militares em onze parcelas. “Essa notícia conseguiu piorar o que já era ruim”, disse a nota de desagrado. “Parece que a Governança não quer enxergar o caos que a medida acarreta. Famílias estão endividadas, com a renda comprometida, problemas de saúde dos servidores decorrentes desta situação e, a desmotivação começa dar sinais no quartéis na prestação da segurança pública”, disse a nota.

Após a tragédia em Brumadinho, os militares voltaram a criticar a atuação do governo estadual. “Atualmente, parece que estamos no Estado absolutista, onde prospera a vontade do Chefe do Poder em detrimento de seus Servidores. Estamos pagando uma conta muita alta pela má gestão dos políticos anteriores. Destarte é o Executivo que faz a máquina estatal funcionar: arrecadar, fiscalizar, educar e promover a saúde, policiar e socorrer vítimas da tragédia de Brumadinho, para usar um exemplo recente”, completou a nota assinada pelo Coronel PM Ailton Cirilo da Silva, presidente da AOPMBM.

Minas Gerais tem 80% de sua receita líquida vai para o gasto com o funcionalismo público. No final de 2018, eram 609 000 servidores públicos no estado.

ano assinada bombeiros militares brumadinho comprometida detrimento endividadas enxergar estado estadual fiscalizar funcionalismo funcionários gestão governo líquida longo medida nota parcelados parcelas portal das gerais problemas público públicos receita renda salários saude segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio servidores tragedia vítimas