Notícias

Presos podem ficar sem comida ! Governo acumula dívida de R$ 101 milhões com empresas que fornecem alimentação nas unidades prisionais. As empresas ameaçam cortar o fornecimento.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  por Jane Huscher

As empresas que fornecem alimentação nas unidades prisionais e socioeducativas de Minas Gerais, estão com uma dívida acumulada de R$ 101 milhões. Segundo o governo de Minas não há previsão para regularizar os pagamentos.

As empresas ameaçam interromper o fornecimento caso os débitos não sejam sanados, disse o Sinderc-MG (Sindicato das Empresas de Refeições Coletivas do Estado de Minas Gerais). Esta semana dois presídios já tiveram racionamento de carne e arroz.

Éder Ribeiro Dias, presidente do Sinderc-MG, disse que desde março não há repasse referente aos 200 presídios  sob responsabilidade da Secretaria de Administração Prisional (Seap). São R$ 23 milhões por mês para alimentação, o que totaliza de março a junho R$ 93 milhões de débito, apenas para os presídios.

Os presos recebem diariamente 04 refeições por dia, diariamente são 160 mil.

“Os repasses foram interrompidos e o governo tinha acenado para fazer parte do pagamento nesta quarta-feira (hoje), vamos aguardar, seriam pelo menos R$ 25 milhões do que é devido. O que não pode é não pagar. Tem empresa querendo dispensar funcionário, parar de ofertar as refeições, enquanto a gente não tiver uma posição sobre os pagamentos. É uma situação grave, de desespero”, diz Eder Ribeiro.

A Seap informou em nota que: “A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informa que está em constante diálogo com a Secretaria de Fazenda, no intuito de regularizar o débito com as referidas empresas fornecedoras de alimentação para as unidades prisionais. Todos os esforços são feitos, de forma a evitar uma interrupção na entrega de alimentação aos presos”.

As  36 Unidades Socioeducativas de Internação Provisória do Estado também correm o risco de ter alimentação interrompida. Com 1.330 menores internados, amargam um débito de R$ 8 milhões no repasse de alimentação, de março a junho deste ano.

alimentação atrasados corpo de bombeiros policia civiil de minas gerais policia de minas gerais policia militar de minas gerais portal das gerais Rede Gerais de Comunica~ção rede gerais de radio Segurança Pública débito diálogo diariamente empresas fornecimento internados interromper marco pagamento portal das gerais presídios refeições repasses responsabilidade sanados segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio socioeducativas