Notícias

Segurança do supermercado foi “imprudente”, afirmou o delegado que apura o caso.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

O delegado Cassiano Conte, responsável pela investigação da morte de um jovem dentro do supermercado Extra, no Rio de Janeiro, afirmou que o segurança Davi Ricardo Moreira foi “imprudente na técnica” ao tentar conter o jovem.

Nesta sexta-feira (15), Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, morreu dentro do estabelecimento na Barra da Tijuca. Segundo Conte, o segurança vai responder por homicídio culposo – quando não há a intenção de matar.

O crime prevê uma pena de até 4 anos de prisão. Davi Ricardo foi preso em flagrante, mas deixou a Delegacia de Homicídios da capital ainda na manhã de hoje. A defesa não revelou o valor da fiança.

O delegado explica que não há elemento concreto que possa afirmar o dolo na ação, uma vez que Moreira estava no exercício de sua profissão.

“Eu não tenho elemento concreto que o vigilante queria a morte dele. O que eu tenho é ele tentando conter o jovem, da pior maneira possível”, disse Cassiano Conte.

“Ele exagerou, ele foi imprudente na técnica, mesmo tendo o conhecimento”, completou.

Pedro Henrique estava com familiares dentro do supermercado. De acordo com o depoimento da mãe, o jovem estava sob efeitos de drogas e iria ser internado em uma clínica de reabilitação em Petrópolis.

A mãe de Pedro Henrique estava no caixa quando o jovem se afastou e foi detido pelo segurança.

Ela teria avisado à equipe de segurança que o filho estava sob efeitos de substâncias, e o jovem teria ficado nervoso com o comentário da mãe.

No depoimento do segurança, ele afirmou que a vítima estava passando mal e abaixou para prestar os primeiros socorros, mas “percebeu que ele estava simulando” e que “não tinha nenhum problema”.

Davi Moreira afirma que Pedro Henrique teria pegado a arma que ele usava e por isso ele o imobilizou com força.

Foi então que Moreira deu uma “gravata” no jovem e permaneceu com o corpo por cima dele por cerca de 2 minutos, de acordo com depoimento de testemunhas.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, outros clientes que assistiam à cena avisaram ao segurança que o jovem estava desacordado e pediram para que o soltasse.

Um deles chegou a afirmar que a mão de Pedro Henrique estava roxa e que ele não possuía nenhuma arma.

“Você está mentindo”, repete Moreira no vídeo.

Segundo o advogado da empresa Group Protection, da qual Davi Moreira é funcionário, o jovem teria simulado um desmaio e a contenção do garoto seria em legítima defesa e de terceiros.

A mãe do rapaz assistiu à imobilização do seu filho e testemunhou os apelos dos outros clientes. O Corpo de Bombeiros chegou a prestar atendimento ao jovem, mas ele não resistiu.

Em nota, o supermercado Extra afirmou que repudia qualquer ato de violência e disse que o segurança será afastado.

O crime repercutiu nas redes sociais. No Twitter, os termos “vidas negras importam” e “a carne mais barata do mercado” estavam entre os assuntos mais comentados do dia pelos usuários, que demonstram indignação diante do ocorrido.

afastado assuntos delegado estabelecimento imprudente indignação investigação mercado morreu morte ocorrido portal das gerais Segurança segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio supermercado testemunhou usuários