Notícias

Um esquema criminoso que teria movimentado mais de R$ 1 bilhão por ano em notas fiscais “frias” é alvo da operação Ceres, deflagrada na manhã desta terça-feira (27), em Minas Gerais, Goiás e São Paulo.

  • Nenhum comentário

Portal das Gerais- O seu portal de Segurança Pública e Notícias –  edição Jane Huscher

Um esquema criminoso que teria movimentado mais de R$ 1 bilhão por ano em notas fiscais “frias” é alvo da operação Ceres, deflagrada na manhã desta terça-feira (27), em Minas Gerais, Goiás e São Paulo. Os suspeitos, conforme apontam as investigações, realizavam fraudes na comercialização de grãos nas regiões do Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas, no chamado “cinturão dos grãos”.

Para desmantelar a organização, a Justiça mineira expediu 22 mandados de prisão e outros 44 de busca e apreensão, que estão sendo cumpridos na força-tarefa formada pela Receita Estadual de Minas, Ministério Público Estadual, Polícias Civil e Militar, em conjunto com a Receita Federal. No total, 295 servidores, policiais e promotores estão cumprindo as ordens judiciais nas cidades mineiras de Unaí, Paracatu, Guarda-Mor, Belo Horizonte e Contagem, além de Formosa (GO) e São Paulo (SP).

Fraude

As Receitas Estadual e Federal identificaram a existência de um grupo criminoso que incluía produtores rurais, contadores, operadores de empresas de fachada e empresários beneficiados pelo esquema ilícito que movimentou montantes bilionários em notas fiscais “frias”.

“As chamadas “empresas notariais” emitiram milhares de documentos fiscais ideologicamente falsos, com a indicação indevida do nome de terceiros para ocultar a real identidade dos produtores rurais. Dessa forma, os verdadeiros produtores conseguiam vender a produção de grãos sem serem identificados, fato que lhes permitia ocultar da fiscalização estadual e federal todo o lucro auferido nas vendas para a indústria nacional intermediadas pelas empresas de fachada”, explicou a Receita Federal.

Sonegação

Além da sonegação de vários impostos, como o de Renda (IR), do PIS/COFINS e do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (FUNRURAL) que deixaram de ser repassados à União, o esquema também teria causado um prejuízo aos cofres públicos superior a R$ 250 milhões, pelo não pagamento do ICMS incidente nas operações.

Por causa dos valores sonegados ao Estado, O Ministério Público pediu o sequestro de bens dos investigados, além da quebra dos sigilos bancário e fiscal das pessoas físicas e jurídicas envolvidas.

*colaboração – jornal Hoje em dia

apreensão bancários ceres comercializações contadores criminoso envolvidas esquema fiscal físicas grãos identidade impostos incidente industria investigações investigados jurídicas nacional operação operações pagamento pessoas portal das gerais produtores rurais segurança pública Minas Gerais policia civil MG portal das gerais rede gerais de radio sigilos suspeitos